A galera do no pain, no gain tinha razão

Mesmo levando uma ordem médica do meu obstetra autorizando com um expressivo “pode tacar anestesia nessa safada” ou seja lá o que a misteriosa letra dessa galera de medicina quer dizer, ao me receber para uma limpeza bucal de rotina, minha dentista resolveu que, quer saber, melhor não, vamos sem anestesia mesmo. Poderia encerrar este relato de dor e sofrimento com 1) o alerta às amigas gravidinhas para que implorem por anestesia. Anestesia de dentista em gestante pode sim, pode super, pode máster. Eu li na internet e se tá na internet, é verdade – menos se for post do MBL; 2) às vezes, o caminho mais difícil é único para alcançar um objetivo. Mesmo que o objetivo seja um sorriso de comercial do Colgate Tripla Ação Xtra White. Foi o que pensava quando a pouco dócil dentista sadomasoquista cravou em minha espessa camada de gengiva seus instrumentos de tortura medieval, daqueles que não sei se ela aprendeu a usar na faculdade de odontologia ou em maratonas de O Albergue 1, 2 e, o pior de todos, o 3, que nem tem o Eli Roth na direção. A cada pinçada com fúria assassina que recebia entre meus pobres e inocentes dentes, cerrava forte os olhos, mentalizando com toda a positividade de alguém de um passado PMA pode reter em seu miserável, porém otimista espírito: “tudo bem, vai passar, tudo bem, é pra um bem maior, tudo bePUTA MERDA, MINHA SENHORA, QUAL A NECESSIDADE DISSO?1!?//!1/”. E acho que nessas horas, com a boca aberta sendo explorada por dois punhos de uma açougueira disfarçada de dentista, a gente começa a refletir sobre como algumas coisas, lamentavelmente, vão ser assim: duras e dolorosas. É questão de escolha: queremos lograr alguma coisa? Sim. Tem jeito mais fácil? Se sim, multiplica, Senhor. Se não, vamos que vamos. Não, não tô falando de papagaiada moderna de meritocracia porque isso, aplicado nos nossos moldes sociais, é uma grandessíssima bobagem – não se pode exigir o mesmo nível de êxito quando as mesmas chances e privilégios não são dados a todos. Tô falando mesmo é de meter a cara a tomar porrada se quiser troféu. Tô falando de estudar que nem desgraçado se quiser o diploma da universidade. Ou de acordar cedo nesta segunda-feira de frio lascado pra ir prum trabalho de merda se quiser pagar o aluguel. Tô falando de lutar pra conquistar o coração frio daquele crush de meses. Ou até de mandar pra casa do caralho a faculdade exaustiva, o trabalho de merda e o crush mais difícil que senha de acesso da Nasa. Dizer “não” vai doer também porque você vai sacrificar alguma(s) coisa(s), mas talvez seja esse o caminho difícil que te leva até uma noite de sono mais tranquila, a um trabalho que você tenha tesão ou a um relacionamento menos platônico e mais saudável.

Meça seus sacrifícios, parça, diria o filósofo MC Brinquedo, e manda bala sem medo se for o único jeito de ser feliz. Até porque, na maioria das vezes, todo sacrifício vale a pena e, no final de um caminho difícil, acho que a vida sorri pra gente.

Com um sorriso pleno de quem recebeu anestesia da dentista, de preferência.

10 thoughts on “A galera do no pain, no gain tinha razão”

  1. hahah falar em dentista eu tenho que me livrar dos dentes do juízo! Que ainda nem terminaram de nascer e eu já estou sofrendo antes mesmo da anestesia.
    Bem, eu costumava achar acreditar que querer é poder, mas como você disse só se as oportunidades e os privilégios do próximo forem iguais ao minhas, e bem, nunca foram, talvez nunca sejam… mas quero dar foco ao “Tô falando mesmo é de meter a cara a tomar porrada se quiser troféu”, porque a vida ensina os trilhos a percorrer e o caminho é cheio de pancada mesmo, porém me pergunto: será que se não fosse tão duro a gente seria o que se tornou hoje? Será que a vida apenas tem um jeito diferente de te ensinar a encarar as coisas? Mesmo que seja pela dor? Gosto do teu estilo de escrita! abrçs

  2. Ahhhh não conhecia seu blog e acabei de me encantar com a sua escrita. Achei seu texto super engraçado, me diverti lendo seu relato, principalmente em frases como “com a boca aberta sendo explorada por dois punhos de uma açougueira disfarçada de dentista” ahahaha Também tenho muito isso de tirar lições ou refletir sobre situações inusitadas, e a sua reflexão rendeu um belo texto <3

  3. Morro de medo de dentista, adorei o seu texto principais pelo o humor acido, você descreveu os sentimentos de muita gente. Amei essa analogia: Foi o que pensava quando a pouco dócil dentista sadomasoquista cravou em minha espessa camada de gengiva seus instrumentos de tortura medieval, daqueles que não sei se ela aprendeu a usar na faculdade de odontologia ou em maratonas. Parabéns e continue escrevendo,

  4. Nossa, imagino o seu desconforto em passar pela cadeira do dentista sem anestesia, acho que eu não suportaria. Quem bom que vc conseguiu encarar esse episódio com descontração, afinal é para um bem maior 🙂

  5. Olá!
    hahaha.. odeio dentista! Quando vou e chego lá sinto aquele cheiro fico toda arrepiada e aquele barulhindo? Jesus!
    Tenho que arrancar os sisos, mas estou enroandooo por puro medo mesmo! hahaha
    ótimo texto, me diverti!

    beijos!

  6. Adorei, Gosto muito de texto bem humorados que falam com certo tom de sarcasmo de coisas “crueis” do cotidiano. E se esta gravida prepara que ainda via ter muita coisa para você rir de nevoso, aquelas coisas que todo mundo falam que pode ou não pode mas a gente descobre quem nem sempre é lindo como a agente vê na tv shashasha
    Beijos

  7. Eu amo dentistas, mas eles são um mal necessário. Eu amei que você é o tipo de pessoa que enfrenta com bom humor as coisas runs da vida, como por exemplo enfrentar o dentista sem anestesia haha

  8. hahaha adorei sua escrita, não a nada melhor que um texto com humor. Tenho pavor de dentista, mesmo eles sendo necessários.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *